quarta-feira, 14 de junho de 2017

Polícia Militar: uma Instituição fajuta, amordaçada e sem Identidade





"Ave, Caesar,morituri te salutant"

   Quem não conhece a Polícia Militar Brasileira a culpa de truculenta, racista; e se deixa levar pelas falácias esquerdistas sem perceber a verdadeira importância dessa Instituição tão apedrejada, incompreendida e desvalorizada. Quem dela está fora, dificilmente a olhará com bons olhos; e agora, alguém de dentro deseja falar um pouco, como um desabafo e também um libelo.

   A grande verdade, é que a Polícia Militar é uma mera caricatura das Forças Armadas. Há quem diga que quando o Criador arquitetou o Universo e depois de tudo feito, um certo alguém começou a ver que tudo era perfeito. Dentre as diversas obras estavam as Forças Armadas. Aquele certo alguém, vendo uma obra tão perfeita (naquela época) não quis ficar pra trás e criou o que hoje conhecemos como a Polícia Militar. Uma Instituição de dois pesos e duas medidas, divididas entre praças e Oficiais; que vive de aparências, pior do que o homem ou mulher que mantém um casamento de fachada. Uma Instituição governada por um homem que sequer é militar, muito menos conhece o que quer que seja do Militarismo. Uma Instituição que vive do suor dos Cabos e Soldados, e onde Sargentos se aliam aos Oficiais numa submissão canina e vergonhosa. Uma Instituição que se aproveita de códigos arcaicos e das chances de promoção dos pequenos peões para os explorar com escalas análogas à escravidão. Uma Instituição que derrama seu sangue nas ruas, mas que é espezinhada por Juízes e Promotores em audiências que mais parecem comédias....

   Essa é a face oculta da Polícia Militar. Uma Instituição que poderia ser a mais perfeita engrenagem social jamais vista, mas que se esconde na mesquinhez e nos egoísmos de seus Comandantes por meio de ordens absurdas e arbítrios covardes. E se alguém pensa que esse desabafo relaciona-se ao Militarismo engana-se. Nas sábias palavras de Alfred de Vigny "O soldado é um pobre glorioso, vítima e algoz, bode expiatório diariamente sacrificado a seu povo e para seu povo, que o escarnece." Não é o Militarismo que está errado, mas sim os covardes que dele se aproveitam para sobressair-se sobre os demais.

   E para que ninguém pense que todos são iguais, existem aqueles que nela ingressaram com algum ideal ou humanismo, levados pela crença no bem da Sociedade e na Camaradagem. Só que na Polícia Militar a coisas acontecem ao contrário. Aquele Soldado, Cabo ou Sargento que lutou toda sua vida, cumpriu suas obrigações e foi fiel ao Juramento não tem para os Donos da Instituição o mínimo valor. E são esses Donos que vão colocar-lhe a corda no pescoço, escorraçá-lo e negar-lhe o menor dos direitos...

   

(...)

De um Soldado da Polícia Militar

Nenhum comentário:

Postar um comentário